SEGURANÇA. Como evitar as ações dos bandidos.

29 de abril de 2015

A constante notícia de ações de bandidos que buscam o roubo rápido e fácil nos bairros mais populosos de Vitória tem chamado atenção de quem vive em condomínios no Espírito Santo, principalmente nos municípios da Grande Vitória.

Os moradores de Jardim da Penha e Jardim Camburi protagonizaram diversas chamadas nos noticiários a respeito do assunto nos últimos meses, onde o objeto preferido dos bandidos têm sido as bicicletas.

Os criminosos parecem não estar ligando muito para todo o aparato de segurança disponível nos condomínios como câmeras de vigilância ou cerca elétrica. Nada disso está sendo capaz de afastar a ação descarada de criminosos, que já não se preocupam mais em esconder os rostos frente tamanha vigilância.

Dada a frequência dos acontecimentos, o Sindicato Patronal de Condomínios (SIPCES) tem buscado orientar seus associados a debaterem e buscarem maior interação entre os condomínios vizinhos e entre os próprios condôminos, como forma de ampliar a discussão de ações que visem a melhoria da segurança. Outro ponto muito importante a ser levado em consideração é a atenção dos próprios moradores para o que acontece no entorno dos prédios e os cuidados no acesso à unidade habitacional ou comercial.

“Os equipamentos de segurança vão ter sua eficiência colocada a favor do condomínio desde que o funcionário esteja treinado para utilizá-lo e saiba como agir em situações de alerta. Os condôminos não podem relaxar um segundo sequer com a segurança, achando que é responsabilidade do porteiro ou do síndico. Não distribuir chaves para parentes e empregados, ficar atento ao entrar e sair pela garagem, respeitar regras do condomínio quanto à entrega de encomendas e pedidos, tudo isso deve ser observado e obedecido pelo condômino”, alerta o presidente do SIPCES, Cyro Bach Monteiro.

BANDIDOS ADOTAM DISFARCES

Uma das táticas usadas pelos bandidos, em estados como Rio de Janeiro e São Paulo, por exemplo, é se passarem por prestadores de serviços. Isso mesmo. Como se fossem funcionários de uma empresa de telefonia ou de TV por assinatura, eles enviam uma correspondência para o morador, dizendo que a empresa está em processo de modernização e que precisa realizar ajustes ou a troca de equipamentos.

Aqui no Espírito Santo já houve registro de bandidos se passando por funcionário dos Correios, IBGE e até mesmo agente de combate à dengue.

Para Monteiro, os condomínios têm que capacitar cada vez mais os funcionários e moradores para evitar o pior. “O condomínio que conseguir unir o uso de câmeras, capacitar seus empregados, ter um cadastro rigoroso de quem for acessar o condomínio e ter a participação e entendimento do condômino da importância dessas ações para a segurança de todos, certamente irá sair vencedor dessa luta contra o crime”.

SÍNDICOS E SIPCES SE MOBILIZAM NO CENTRO DE VITÓRIA

Desde novembro de 2014 diversos síndicos de condomínios localizados no Centro de Vitória têm se reunido para discutir ações de melhoria na segurança do bairro, e o SIPCES tem acompanhado essas reuniões, que já contou com a participação de agentes públicos, como o secretário de Segurança Urbana de Vitória, Fronzio Calheira Mota.

Durante os encontros os moradores cobram maior intervenção dos entes públicos para a inibição e combate à prática criminosa no bairro, e também já estudam ações como treinamento dos empregados dos condomínios e maior orientação aos condôminos, que podem evitar e auxiliar no combate ao crime.

Vilmar Maria de Oliveira, síndico do edifício Aldebaran e um dos organizadores dos encontros, acredita que a troca de informações e experiências entre os síndicos do bairro e uma maior cobrança por ações efetivas junto aos órgãos competentes serão fundamentais para que os resultados esperados apareçam.

“Ainda no mês de abril iremos realizar a terceira reunião, onde discutiremos a implantação de um sistema de rádio comunicação entre os condomínios do bairro.”, reforça Oliveira.

Para o vice-presidente do SIPCES, Gedaias Freire da Costa, cada pessoa exerce um papel de extrema importância nessa ação. “Não basta colocar um porteiro, por exemplo, e fazer a instalação de equipamentos se não treinar o empregado, ou o condômino insistir em não cumprir regras básicas de segurança e o Poder Público não atuar na região. Quanto ao síndico, ele deve ter uma atuação preventiva”, orienta.

Segurança - Centro

O presidente do SIPCES, Cyro Bach Monteiro, participou da reunião no Centro de Vitória.

Veja a edição completa do informativo: Versão PDF InfoSIPCES Março – Abril 2015

Facebook Comments
Voltar

Deixe um comentário

%d blogueiros gostam disto: